NikkeyBrasil - O site do japonês no Brasil
17/8/2018. Bem-vindo ao NikkeyBrasil. Hoje, com 8319 cadastrados - 31.686.642 visitas
Empresa ou produto:



HOME            
III SPHarpFestival – Festival Internacional de Harpas - De 22 a 25 de junho

Músicos da Argentina, Brasil, Escócia e Paraguai


De 22 a 25 de junho, sexta a segunda, o Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo apresenta o III SPHarpFestival – Festival Internacional de Harpas com vários números musicais durante o dia e um total de 12 apresentações de música popular, folclórica e erudita. Os eventos acontecem no teatro com entrada franca.

Serão vários tipos de harpas: clássica, koto (japonesa), paraguaia e céltica. Algumas são elétricas, outras acústicas.

Entre os destaques internacionais estão a soprano e instrumentista escocesa Zoe Vandermeer com repertório erudito. E dois paraguaios: Vivian Duré Prado que interpretará folclore latino-americano, música paraguaia e clássicos e Lucas Zaracho que é proveniente de uma longínqua cidade do 12º departamento de Ñeembacú. O harpista tem trilhado o caminho da arte com o projeto "Sonidos de la Tierra". Há um argentino, Dario Andino que se apresenta com o grupo Yassi que traz 13 músicos, sendo 8 harpistas. O repertório é de MPB.

Com influência japonesa, o Trio Kagurazaka é formado por Shen Ribeiro que toca flauta shakuhachi, Tamie Kitahara que toca koto e shamisen, tradicionais instrumentos de cordas do Japão, e Gabriel Levy no acordeom. Tamie Kitahara é japonesa, migrou para o Brasil em 1955. Em 1987, Shen Ribeiro foi morar por vários anos no Japão, onde estudou shakuhachi, instrumento de sopro oriental que vai tocar na apresentação.

 

Uma novidade deste ano é o espetáculo O Retrato de Dorian Gray, inspirada na estética da Belle Époque, com canções consagradas do rock. Toca nesse número a harpista Tatiana Henna com participações de Cristina Harumi (apresentação e bongô), Doug Almeida (violão), Nayane Spigoti (teclado) e Paulo Keller (vocais).

 

”Celtic Brasil” é o mais recente espetáculo do harpista Nando Araujo, um desdobramento do projeto “Pelas Trilhas dos Celtas” unindo arte e reflexão filosófica, porém, em um novo formato. O harpista se apresenta Maestro José Gustavo Julião de Camargo na viola caipira, Willian Storti no acordeão e Sara Cesca na rabeca. Esses instrumentos dão o colorido às manifestações folclóricas brasileiras. O espetáculo apresenta sonoridades brasileiras e diálogos estético-musicais com as músicas tradicionais dos países que incorporam as nações pan-célticas (como a Irlanda e a Escócia). Este encontro entre a harpa céltica e os instrumentos utilizados em nosso folclore promove uma ambiência sonora singular. Com esta mesma proposta estética o repertório do espetáculo é composto de Beatles e músicas autorais do artista.

 

O Duo Mulheres em Harpa e Flauta tem Norma Holtzer Rodrigues na harpa que é formada em piano pela Escola de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e estudou harpa com Amalia Maresca em Montevideo no Uruguai. Ana Carolina Bueno é bacharel em flauta pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

 

A Burning Symphony traz harpas céltica e elétrica, violoncelo e bateria. No repertório muito rock, heavy metal, power metal e metal sinfônico.

 

Programação:

III SPHarpFestival – CCBB São Paulo:

Sexta, domingo e segunda: 13h, 15h e 18h
Sábado: 15h, 18h e 20h

 

Dia 22 de junho, sexta-feira

13h: Tatiana Henna, harpa, Douglas Neves (violão), Nayane Spigoti (teclado), Paulo Keller (vocais), Cristina Harumi (apresentação e bongô) - Brasil

15h: Zoe Vandermeer, harpa - Escócia

18h: Lucas Zaracho, harpa   - Paraguai

 

Dia 23 de junho – sábado

15h: Zoe Vandermeer - Escócia

18h: Burning Symphony - Brasil

20h: Vivian Duré Prado, harpa - Paraguai

 

Dia 24 de junho – domingo

13h: Grupo de Harpas Yassy: Dario Andino, harpa argentina - Argentina

15h: Nando Araujo (harpa céltica) / José Gustavo Julião de Camargo (viola caipira) / Willian Storti (acordeon) / Sara Cesca (Rabeca) - Brasil

18h: Vivian Duré Prado – Paraguai  - Participação especial: Lucas Zaracho, harpa – Paraguai

 

Dia 25 de junho – segunda-feira

13h: Duo Mulheres em Harpa e Flauta - Norma Holtzer Rodrigues (Harpa) e Ana Carolina Bueno (Flauta)

15h: Trio Kagurazaka - Shen Ribeiro (flauta shakuhachi), Tamie Kitahara (koto e shamisen e voz) e Emi Kitahara (koto) - música japonesa - Japão/Brasil

18h: Vivian Duré Prado, harpa – Paraguai

Currículos dos músicos:

Burning Symphony
Harpa – Jonathan Faganello
Violoncelo – Pedro Bortolin
Flauta – Celso Lazzarini
Formada por músicos do interior paulista, tem como proposta executar, de forma inusitada e desafiadora, os clássicos do Rock, Heavy Metal, Power Metal, Metal Sinfônico e outros, com instrumentos eruditos.

 


- Dario Andino e Grupo Yassy

 

Dario Andino é músico internacional, argentino. Arranjador, compositor e produtor fonográfico. Pesquisa e leciona a harpa paraguaia desde os 13 anos. Aos 16 anos, foi 1° lugar no festival de música Latino America. Em 1998, ganhou o troféu Tacho ´i como solista de harpa, no Festival de Takuare´e. Em 2004, gravou Harpa Índia; em 2005, Harpa de David; em 2007, Naturalmente Harpa, seu primeiro disco Independente. Recebeu o prêmio Quality Bandeirantes em 2009. Em 2010, 2011, 2013, 2015 e 2016 participou do V, VI, VIII, X, XI RioHarpFestival junto à cantora Cinthia Almeida. O endereço eletrônico www.facebook.com/dario.andino.

 

O grupo Yassy é formado por 13 músicos, sendo 8 harpistas.

 

- Duo Mulheres em Harpa e Flauta
Ana Carolina Bueno (Flauta | Brasil) é Bacharel em Flauta Transversal, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob a orientação de Leonardo Winter. Iniciou seus estudos musicais no Conservatório Pablo Komlós da Ospa, sob a orientação de Artur Elias Carneiro. Integrou a Orquestra Jovem da OSPA. Participa ativamente de grupos de música instrumental brasileira, nativista, contemporânea, gravações, concertos e shows. Atua como musicista convidada em diversas sinfônicas do Rio Grande do Sul, como a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa), Banda Municipal de Porto Alegre, Orquestra Unisinos Anchieta, Orquestra de Sopros de Carlos Barbosa, Orquestra de Sopros de Garibaldi, Orquestra Sinfônica de Gramado, Orquestra de Violões de Gramado, Orquestra Sinfônica da UCS, entre outras. Além disso, já dividiu o palco com destacados artistas da música nacional, como Ivan Lins, Leila Pinheiro, Zizi Possi, Luiza Possi, Fafá de Belém, Renato Borghetti, Cristiano Quevedo, Tati Portella. Atualmente é piccolista da Orquestra de Sopros de Novo Hamburgo.
Norma Holtzer Rodrigues é formada em piano pela Escola de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), começou seus estudos de harpa com Amalia Maresca em Montevideo, Uruguai. Contemplada com uma bolsa de estudos da Alemanha, cursou a Escola Superior de Música da Baviera. Também integrou como instrumentista convidada a Orquestra Sinfônica Mozarteum em Salzburgo e Orquestra Filarmônica de Israel. Foi harpista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp). Atualmente integra a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (Ospa) como harpista. Dividiu o palco com diversos artistas de renome nacional e internacional como Ray Conniff, Tony Bennett, Barry White, Vania Bastos, Roberto Carlos, Julio Iglesias, entre outros

 

- Nando Araujo

 

Nando Araujo é filósofo, músico, compositor, escritor e produtor artístico. Sócio-proprietário da Pense Música Produções: arte e educação. Graduado em Filosofia, mestre em Musicologia pelo Conservatório Brasileiro de Música (CBM), Rio de Janeiro. Professor de Filosofia, Filosofia da Música e Ética na Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp). Idealizador e apresentador do programa de televisão “Conversa Afinada”, exibido pela TV Universitária. Docente de Filosofia e Música na Escola Waldorf de Ribeirão Preto. Participa de Congressos de Musicologia, como o IASPM-AL (Havana – Cuba), tem dois livros editados: “Quando as Musas Usam Máscaras: ídolos e ideologias em Música” e “Flores Carnívoras: ensaios sobre a estupidez contemporânea”. Tem dois Cd`s gravados:  “No Return” música instrumental autoral e DUO (Harpa e violão). Apresentou-se com a harpa céltica em vários palcos, tais como: Sesc Ribeirão, Sesc Santos, Sesc Vila Mariana, Fnac Ribeirão, Feira Nacional do livro de Ribeirão Preto, teatro Minaz de Ribeirão Preto,  Rio Harp Festival (Festival Internacional de Harpa), Festival Fiato al Brasile ( Faenza, Itália).  Nando desenvolve vários projetos envolvendo a harpa: 1) “Celtic Brasil”;  2) “Celtic  Beatles” (quarteto de cordas https://youtu.be/Tj4vR52lWEc);  3)  “DUO”     (harpa e violão https://youtu.be/qVFfO65lxp0); 4) “Pelas Trilhas dos Celtas” http://youtu.be/ZY45Hxi5lJI);  5) projeto “harpa e voz”  (https://youtu.be/IsEVftPO7R4). Na área da educação musical desenvolve um projeto pioneiro no Brasil de ensino de harpa céltica para o Ensino Fundamental da escola Waldorf de Ribeirão Preto. 

 

José Gustavo Julião de Camargo, compositor e maestro paulista iniciou seus estudos musicais em 1978, em Ribeirão Preto, com Mario Nacarato e Cristina Emboaba. Como instrumentista (clarineta e clarone) atuou na Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, Orquestra Jovem de Campinas e no grupo Pipoca Moderna (de 1983 a 1986). Formou-se (1986) em composição e regência pela UNICAMP, onde foi aluno, entre outros, de composição, de Almeida Prado, Damiano Cozzella e Raul do Valle, e de regência, de Benito Juarez, Moacir del Picchia e Henrique Gregori. Como diretor musical e arranjador do coro cênico “Bossa Nossa” (de 1991 a 2008) desenvolveu intensa atividade no Brasil e no exterior (Itália e Grécia), com espetáculos como Conversa de botequim (1995); bossa@usp.br (1997), 500 e tantas histórias... (2000, 2001, 2002 e 2004) e O boi caipira (2006). Já atuou como professor visitante em diversas escolas de música e conservatórios na Itália (Faenza, Ferrara, Cosenza, Perugia e Campobasso). É compositor de obras para teatro, vocal e instrumental, coral e sinfônico. Destacam-se ainda a cantata Ode a Zumbi, Comandante guerreiro, para coro e orquestra; a ópera Café – em três atos, para coro e orquestra, esta última com libreto de Mário de Andrade; e, estreado recentemente, o Concerto para viola caipira e orquestra. Desde 1988, é orientador de estruturação musical do Departamento de Música da FFCLRP-USP, Campus de Ribeirão Preto. Atua ainda como colaborador no Nap-CIPEM (Núcleo de Pesquisa em Ciências da Performance em Música da FFCLRP-USP), maestro assistente da USP-Filarmônica, maestro titular da Banda Mogiana e como instrumentista (Viola Caipira) apresenta-se como solista e nos grupos: “Brasil Matuto Ensemble” e “Nando Araujo Trio.

 

Lucas Zaracho, harpa é proveniente de uma longínqua cidade do 12º departamento de Ñeembacú e têm trilhado o caminho da arte com o projeto "Sonidos de la Tierra" representando seu país por intermédio da harpa. Lucas é Licenciado em Música, professor de Harpa Paraguaia e linguagem musical e autor de várias obras. Foi vencedor do 1º Curso Internacional e Nacional de Composição para Harpa.

 

Espetáculo O Retrato de Dorian Gray
Tatiana Henna é intérprete e compositora. É bacharela em Harpa formada pela Faculdade Santa Marcelina e já atuou em orquestras sinfônicas, bandas de rock, projetos audiovisuais e eventos diversos.
Doug Almeida, guitarrista paulista formado pelo IG&T, já tocou em diversas bandas de rock.

 

Trio Kagurazaka - o nome do grupo é inspirado em um bairro tradicional de Tóquio onde vivem muitos músicos e artistas. É formado por Shen Ribeiro (flauta shakuhachi), Tamie Kitahara (koto e shamisen e voz) e Emi Kitahara (koto).                                                        
Shen Ribeiro é natural de Botucatu, Shen teve uma educação musical tradicional até, em 1987, partir para o Japão, onde morou por vários anos, estudando shakuhachi. Ingressando na Universidade de Belas Artes de Tóquio, foi convidado a tocar para o Imperador do Japão. Tem seis CDs gravados, entre eles Brazilian Music for the Shakuhachi, projeto que uniu a flauta tradicional japonesa à música popular brasileira. Retornou ao Brasil em 2003 – desde então é diretor do Estúdio Salaviva da Associação Cultural Cachuera!. Como concertista, vem apresentando-se em inúmeras salas do Brasil, Japão e Europa, interpretando um repertório que mescla temas clássicos, populares e tradicionais.
Tamie Kitahara é nascida na província de Yamaguchi, no Japão. Estudou desde criança o koto e, posteriormente, o shamisen. Em 1996 recebeu da Associação Japonesa Seiha Hougakukai o título de Mestre, com o nome artístico Utahito. Desde então, dedica-se à formação de alunos, principalmente crianças e jovens. É membro da Associação Brasileira de Música Clássica e presidente do grupo Seiha Brasil de Koto.
Emi Kitahara toca koto desde 1985, dedicando-se ao estilo Ikuta-Seiha. Em 1995 iniciou o estudo do Jyushitigen – koto de 17 cordas – no Japão. Em 2009 foi aprovada em exame de aperfeiçoamento, tornando-se mestra e recebendo então o nome artístico Utami, da escola Ikuta Seiha do Japão. Desde então viaja ao Japão para aperfeiçoamento das técnicas dos instrumentos koto e jyushitigen. Atualmente faz parte do grupo Seiha Brasil de Koto.

 

Vivian Duré Prado é uma harpista paraguaia. Iniciou seus estudos aos 6 anos de idade com Pedro Resquín. Fez parte do Ballet Oficial da Escola sob a direção do bailarino Enrique Castro e Rocío Burgos, sob a direção de Ramón Fleitas. Aos 15 anos começou a aula de Guitarra Rítmica com Ricardo Chaparro, incluindo música popular e moderna. Aos 17 anos faz aulas de Harpa do Paraguai com Eusébio Duarte, depois com Angel Ramirez e Kike Pedersen e finalmente com o repertório de Martín Portillo e ritmos internacionais. É integrante da orquestra de harpas do mundo "Sonidos de la Tierra" que saiu no Guiness de Recordes, no ano de 2013. Esteve presente no conjunto de harpas na inauguração do Mundial de Rally Dakar 2017 e na Feira Nacional da Moda 2017, como solista. Participa do CD Caught Memories, com repertório do folclore latino-americano, música paraguaia e clássicos de todos os tempos.

 

Zoe Vandermeer é soprano de coloratura dramática e harpista tríplica Galês  que integra o grupo seleto da Comissão Connecticut de Cultura e Turismo dos Estados Unidos . Vencedora do primeiro lugar no Concurso Internacional de Canto Barry Alexander, ela realizou a sua estreia no Carnegie Hall em outubro de 2014. Também ganhou o primeiro lugar na competição vocal Arts Bay Area; foi finalista no Concurso de Música Antiga de Londres Jovens Artistas e da Competição Concerto Wilfred Laurier Aria, Canadá. A artista é receptora dos fundos Dame Joan Sutherland, MTNA da Grant Foundation assim como do Emerging Artists. Seu álbum solo “Vinho do anjo, canções de John Dowland” ganhou o segundo lugar de Melhor Álbum Clássico pela JPF em 2002 e a gravação tocou em todos os EUA. Vandermeer recebeu uma Menção Especial do Concurso Prêmio Americano em 2014 por sua performance como harpista cantora. Suas composições originais para soprano e orquestra já foram estreadas pela San Francisco Sinfonietta e pela Orquestra de Câmara de Contra Costa, na Califórnia. Sua composição original e conto musical “Conto de Fadas de Zoe” tem sido frequentemente comparado ao "O Fantasma da Ópera" e "O Jardim Secreto".
Vandermeer já realizou concertos solo no Festival Internacional de Deia-Espanha, Glasgow International Early Music Festival-Escócia , Sociedade Americana de Harpismo- Instituto de Verão em Utah, Somerset Harp Festival, HarpCon2003 Convenção-Indiana, Bloomington Early Music Festival, Napa Valley Mostly Mozart Festival, San Mateo Centro de Convenções, Concertos Trinity- Berkeley, Concertos Russian River, Academia de Museu e Arte de São Francisco, Casa Pollok -National Trust Museum-UK e outros. Próximas performances solo em 2016 incluem: Harp American Society Conference em Atlanta, e Castle Clinton - 166o aniversário da estréia operática de Jenny Lind em 1850 em New York, NY.  Artigos sobre Ms. Vandermeer podem ser encontrados na revista suíça Harpa e Revista Cantora Clássica. Zoe já foi convidada especial em numerosas estações de rádio dos EUA e Escócia. Ela é formada pela Academia Real Escocesa de Música e Drama, da qual também recebeu premiações.

 

RioHarpFestival

Realizado anualmente no mês de maio, o RioHarpFestival está na sua décima terceira edição. É um evento promovido pelo projeto Música no Museu e que enaltece a harpa, o instrumento mais antigo da humanidade – alguns acreditam que ela tenha surgido mil anos antes de Cristo - é envolto de uma vasta simbologia.

 A ideia é privilegiar a música de boa qualidade colocando em evidência esse instrumento milenar, sem distinção de procedência, escola ou época; da música medieval aos clássicos europeus, dos românticos aos impressionistas, dos modernos aos contemporâneos brasileiros e estrangeiros.

As apresentações destacam-se pela diversidade de gêneros e estilos musicais que esse instrumento possibilita: clássico, étnico, popular, rock, latino-americana e até o funk.

Consolidado na agenda cultural carioca, o RioHarpFestival ganha, a cada ano, cada vez mais espaços. Além do Rio de Janeiro e São Paulo, os concertos são realizados em Minas Gerais, Alagoas e também no exterior – Portugal (Lisboa e Porto) e Espanha (Madri).

O festival contabiliza, só no Rio de Janeiro, 106 apresentações no total, envolvendo 36 músicos de 25 países e com um público de aproximadamente 25.000 pessoas.

Serviço:

 

III SPHarpFestival – Festival Internacional de Harpas

Entrada gratuita, com retirada de senha a partir de 1 hora antes do início das apresentações.

22 a 25 de junho, sexta a segunda
Sexta, domingo e segunda: 13h, 15h e 18h
Sábado: 15h, 18h e 20h

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo

Rua Álvares Penteado, 112 – Centro. São Paulo -SP

(Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô)

(11) 3113-3651/3652 | Quarta a segunda, das 9h às 21h

ccbbsp@bb.com.br  |  www.bb.com.br/cultura  |  www.twitter.com/ccbb_sp  |

www.facebook.com/ccbbsp | www.instagram.com/bancodobrasil

 

Acesso e facilidades para pessoas com deficiência | Ar-condicionado | Cafeteria e Restaurante | Loja

Estacionamento conveniado: Estapar - Rua Santo Amaro, 272.

Traslado gratuito até o CCBB. No trajeto de volta, a van tem parada na estação República do Metrô.

Valor: R$ 15 pelo período de 5 horas.

É necessário validar o ticket na bilheteria do CCBB.
Trio Kagurazaka
Todos os Direitos Reservados. Copyright ® ABRAON
pagina gerada em 0.2246 segundos.